“NO LIMITE, NÃO HÁ CUSTOS FIXOS NO MERCADO”

Como medir os custos da sua empresa?

Quando Robert S. Kaplan o disse [pioneiro americano nas matérias de Business Intelligence] referia-se a uma noção de custo subjetiva, alargada e nuclear no que aos sistemas de controlo diz respeito. Saber identificar e imputar custos é um trabalho fulcral que permite ao gestor servir-se do real para poder avaliar, medindo o presente de forma criteriosa, levantando até os custos escondidos nessa mesma complexidade.

Kaplan disse também: “A contabilidade da gestão tradicional é pouco relevante para a gestão moderna levando a decisões incorretas”. O fundamento desta

sua tese pode ser lido na íntegra no manual “Relevance lost: the rise and fall of management accounting, Harvard, 1987” mas para o leitor deixamos um resumo útil que pode mudar já o futuro do seu negócio.

Comece por responder à seguinte questão: a sua empresa tem um MRP (Material Requirement Planning) ou em português, uma Árvore dos Produtos? Este planeamento de necessidades de materiais é a base do apuramento de custos e será ele, uma vez formalizado e padronizado, que permitirá à sua empresa tornar o conhecimento expansível e dar o tal salto que procura! Sendo um método transversal ele deve implicar não só os economistas e contabilistas, mas também os engenheiros, recursos humanos e os informáticos. Utilizando um pequeno modelo de… por exemplo um bolo de chocolate. Temos no 1º nível o chocolate e a massa, e num 2º nível, os compostos da massa – aliados ao nº de operações que temos de realizar. Uma receita, portanto! Conseguimos rapidamente apurar os custos ainda que não possamos ser exatos ao ponto de quantificar a luz gasta a bater os ovos. Mas a sua empresa pode! E se um bolo tem dois ou três níveis, a indústria automóvel tem 70 e quiçá a sua empresa venda até serviços o que torna a questão aparentemente intangível.

Mas não para o Custeio ABC Time Driven que coloca o tempo como grande pendor, permitindo não só conhecer o custo do mais pequeno pormenor, mas também da atividade em si de forma transparente e – acima de tudo – perceber onde pode poupar. Esta temática encerra assim o Ciclo de Workshops levado a cabo pela FORGESP CONSULTORES sob o lema: “Medir para Gerir num Mundo Digital”.